Como manter a saúde financeira de uma PME em tempos de crise?

Segundo dados do Sebrae, 98% das empresas do estado de São Paulo são de micro e pequeno porte. No Brasil, esse número representa 99% do total. Mas, neste momento de crise e isolamento social, essas são as empresas que mais sofrem com seu fluxo financeiro. Muitas, inclusive, deverão fechar suas portas.

Como uma healthtech, a Cuidas leva médicos de família para dentro das empresas, cuidando da saúde de seus colaboradores. Mas neste momento, também têm se preocupado com a saúde financeira das empresas. Por isso, a equipe financeira da empresa desenvolveu este material (acesse e faça download do guia completo aqui) que contém algumas dicas para se colocar em prática nesse momento e manter os pés no chão em meio à crise. Confira abaixo:

1. Defina os pilares da sua empresa

Liste as diretrizes que irão sustentar a estratégia durante o período de crise e utilize-as para suas tomadas de decisão.

Dica: O que não pode faltar nesse documento: Pessoas, Finanças, Clientes, Vendas e Suprimentos

Essa atitude é um bom balizador para empresários, executivos e líderes na tomada de decisão, principalmente, para questões em que não há uma solução sem prejuízo para alguma parte envolvida.

Um exemplo simples que ilustra essa situação e que deve ter sido dilema para muitas empresas em meados de março seria o seguinte: em tempos de coronavírus, a empresa tem cozinha própria e deve decidir entre colocar os colaboradores em home office, aumentar os gastos com reembolso de refeição durante este período e manter a cozinheira no quadro de funcionários mesmo que ela não esteja trabalhando ou expor todos no transporte público e no convívio intenso do ambiente de trabalho.

2. Simule cenários

Defina as premissas para cada um deles estimando: queda nas vendas, tempo de home office, disponibilidade de caixa, necessidades de aporte ou empréstimos, entre outros fatores que afetam a empresa na crise.

Dica – Crie pelo menos 3 cenários: Otimista, Provável, Pessimista

Para cada cenário, crie um plano de ação:

  1. Se a empresa tiver 10% de queda nas vendas, quais custos deverão ser reduzidos?
  2. Minha empresa está enquadrada em algum incentivo ou benefício previsto pelo Governo?
  3. Como serão tratadas as novas posições previstas? E as reduções de quadro?

3. Reduza gastos

Manter a liquidez do caixa é fundamental para sobreviver durante a crise. O primeiro passo é analisar custos e despesas e separá-los em quatro grupos:

  1. Essenciais fixos: não podem ser reduzidos e não podem ser cancelados
  2. Não essenciais fixos: não podem ser reduzidos, mas podem ser cancelados
  3. Essenciais variáveis: podem ser reduzidos, mas não podem ser cancelados
  4. Não essenciais variáveis: podem ser reduzidos ou cancelados

Nesse momento, esqueça as classificações de custos fixos, variáveis, diretos e indiretos. O importante é saber o quanto eles são essenciais para o negócio antes de tomar a decisão de redução, renegociação ou corte.

4. Outras dicas:

  • Renegocie as dívidas atuais com bancos e credores: adeque prazo, taxas de juros e valor de parcelas para que caibam na nova realidade.
  • Pense bem antes de contrair novas dívidas: a maioria das empresas são tomadoras de crédito e isso é saudável desde que o caixa não seja comprometido. Cuidado com a ilusão de fôlego que um empréstimo pode oferecer no curto prazo.
  • Faça o inventário: identifique ativos que possam ser vendidos. Analise seus ativos e identifique aqueles que não estão sendo utilizados e podem ser vendidos.
  • Cuide da manutenção preventiva de máquinas equipamentos e imóveis: é mais barata do que manutenção corretiva.
  • Suspenda temporariamente novos investimentos: pode parecer óbvio, mas é bom reforçar que este não é o momento de investir.
  • Renegocie os aluguéis dos imóveis: os locadores também estão preocupados com a crise. O que eles não querem agora é um imóvel vazio.
  • Atenção às medidas anunciadas pelo Governo: estão sendo discutidas muitas propostas para ajudar as empresas, tais como, postergação do pagamento de impostos e redução de jornada.
  • Ajude outras pessoas e empresas: sua empresa também tem uma função social. Quando possível, faça doações, cuide de seus colaboradores e da comunidade. Distribua conteúdos gratuitos.
  • Seja criativo: o que eu não ofereço aos meus clientes hoje e posso oferecer com baixo investimento?
Wesley Satu da Silva

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.