Como lidar com a ansiedade durante a pandemia?

Conviver com a ansiedade durante a pandemia do coronavírus pode ser muito difícil. Um inimigo invisível, como é o vírus da covid-19, figura entre os piores pesadelos para aqueles que sofrem de TOC e ansiedade e aumentam ainda mais a possibilidade de haver episódios de crise.

Com a grande cobertura da mídia e diversas novas informações surgindo a todo momento, o abalo psicológico nestes indivíduos é grande e pode servir como gatilho para diversos comportamentos obsessivos, como o excesso de higienização e paranoia.

Estresse no home office

De acordo com o psiquiatra Leandro Ramos e considerando o histórico de comportamento em momentos similares (epidemias), os sintomas de ansiedade e patologias comportamentais devem aumentar no país durante todo o período da pandemia.

Esse histórico leva em consideração os dados coletados durante a crise da Sars, um outro tipo de coronavírus. A doença afetou o mundo entre 2002 e 2005 e causou pânico em grande parte da população, deixando cerca de 42% dos sobreviventes com algum tipo de transtorno mental causado pela experiência, como o transtorno de estresse pós-traumático, de acordo com estudos da East Asian Arch Psychiatry, de 2014.

Quais as recomendações da OMS para pessoas com ansiedade durante a pandemia?

A quarentena, apesar de estressante, ainda é a melhor medida para combater o vírus e aproveitar o tempo em reclusão sem estressar sua mente pode fazer toda a diferença.

Informações

Dentre as diversas sugestões da OMS, as principais envolvem evitar ler e assistir conteúdos tendenciosos que possam causar gatilhos e aumentar os níveis de ansiedade em pessoas que possuem estes transtornos.

Leia livros e se ocupe com coisas que não tenham à ver com trabalho ou pandemia
Aproveite momentos para se “desligar” e não focar no vírus ou no trabalho

Apesar da forte cobertura da mídia, caso você possua um quadro de ansiedade ou transtornos similares, tente se atualizar sobre o vírus apenas uma ou duas vezes ao dia. Isso fará com que você não fique permanentemente em alerta e reduzirá o risco de desenvolver comportamentos obsessivos.

Para ajudar com isso, diversas plataformas de conteúdo liberaram acessos gratuitos ou mais baratos durante o período, como é o caso dos serviços de streaming. Ainda, profissionais de diversas áreas estão usando as redes sociais para transmitirem aulas online e eventos, como shows de música e apresentações artísticas.

Estar junto não é físico:

Use as redes sociais e o celular para se manter em contato com seus amigos e familiares

Converse com seus amigos e entes queridos via internet e telefone, de forma que todos se apoiem. Vamos passar por esse período juntos, mesmo que não fisicamente.

Mantenha-se em atividade

Mesmo em casa, tente manter parte de sua rotina diária. Mudanças bruscas podem piorar o quadro de ansiedade. Se possível, tente fazer atividades físicas e que gerem relaxamento e felicidade para você.

Respeito e empatia são fundamentais!

Tome cuidado com a maneira de se expressar sobre o coronavírus e não retransmita preconceitos: o coronavírus não faz discriminação de gênero, nacionalidade, cor da pele ou classe social. 

É tempo de nos unirmos e não há espaço para piadas ou atitudes preconceituosas. As vítimas deste vírus não são culpadas por sua proliferação e devem ser tratadas de maneira humana e respeitosa.

Wesley Satu da Silva

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.